O apartamento do Shneider em “One Day at a Time”

Semana passada, eu visitei a Indigo com os meus pais (Não visitem sem dinheiro -tipo eu! É uma perdição pra quem ama papel e afins!) Lá, e eu e o meu pai ficamos encantados com os discos de vinil!

Os discos de vinil estão voltando e eu acabei reparando neles num apartamento que aparece super discretamente na série do Netflix “One day at a time“. O apartamento do Schneider!

Reparem na coleção de discos:

 

Na verdade, eu gosto de quase tudo nesse apartamento!  As luminárias, o padrão dos móveis e o piso, principalmente, são perfeitos!

Meu marido diz que eu sou hipster, igual ao personagem. Eu não posso dizer que “sim” nem “não” porque eu sou velha e eu confesso que eu não sei se eu entendo muito bem o que é um hipster… mas se é um hippie urbano moderno, eu certamente sou sim! A não ser que não exista hipster quebrado… =/

A única coisa que eu trocaria seriam esses sofás. Não pelas cores, mas porque eu preciso de sofás que gritem “pega a pipoca e vem” … e esses não me parecem confortáveis o suficiente pra isso!

Pra variar, meus olhos se voltaram para a escrivaninha – que eu colocaria na janela, claro! Mas, sendo um cenário de série, eu entendo e perdôo.

A escrivaninha é cheia de *brinquedos* e não sobra espaço sem preenchimento nas paredes em volta dela!

Por favor, esqueçam de mim naquele cantinho ali na sexta e só me acordem na segunda!

Aqui, a gente vê o toca discos! Não é dos mais legais, mas ok… serviu pra compor o ambiente…

Na Urban Outfitters eu achei uns melhores:

Às vezes eu acho que eu pesquiso essas coisas pra me torturar!

Como decoração pra estocar os discos, já  que eu não pretendo ser o Schneider,  busquei algo mais simples pelo Pinterest e gostei desses aqui:

E claro, no final da semana eu comprei um disco!

Pra quem não sabe, eu sou muito fã do Hanson! Leia-se MUITO. Eu sou dona da Hanson.com.br faz quase 20 anos…

Pois então, eu tento não mencionar eles aqui nesse blog pra não misturar os assuntos, mas hoje eu queria contar que o meu disco de vinil laranja é MUITO legal!

Acabei comprando do Hanson porque eu já tenho uma coleção bem grande de coisas deles, mas a minha vontade era trazer vários outros pra casa! Quem sabe um dia?!

Por enquanto, desculpem estar pra trás com as visitas e as respostas para os comentários! Essa semana está sendo super puxada no trabalho (trabalhei até no domingo =/). Pra mim, já podia ser sábado!

Em seguida apareço pelos meus blogs preferidos, pessoas!

Beijos meus e do Zac Hanson pra vocês (ha-ha)! Fiquem com a foto do dia em que eu conheci um dos grandes amores da minha vida. É, eu sou a cara da felicidade nessa foto…  ˆˆ E o gorro do Heitor marcando presença…

“The women” – Mulheres: O sexo forte

Eu estou completamente apaixonada (e quando que eu não tô?) pela casa da Meg Ryan em “The women”! Inclusive, eu acho que eu encontrei o meu estilo perfeito (de novo)! Só falta encontrar o dinheiro perfeito porque a situação é problemática (pra variar)!

Primeiro, a casa fica em Dover, Massachusetts, USA. Esse lugar, Dover, é um ponto verde perto de Boston. Olha no mapa:

Por ser um ponto verde, longe da cidade, Dover é um dos refúgio de celebridades e gente com muito dinheiro em geral. Porque nesses lugares, além da privacidade, essas pessoas encontram lotes maiores e podem bancar coisas extremamente necessárias na vida de qualquer pessoa humilde -tipo um heliporto no quintal- e ainda assim podem viajar até as cidades grandes pra manter seus negócios milionários.

Passeiem por Dover (no google maps, como eu fiz) pra sentir o drama…

Tecnicamente, eu sou uma pessoa riquíssima porque eu tenho duas filhas saudáveis e lindas. Mas assim, dinheiro em espécie, não é exatamente algo que eu tenha… o que é uma grande tortura quando eu percebo que esse “Colonial Revival” é a minha cara.

O Colonial Revival é o estilo da casa do Esqueceram de Mim, são casas:

  • quase sempre com formato de caixa (há exceções)
  • normalmente simétricas
  • com a entrada bem marcada
  • usam elementos da arquitetura grega e romana – como as colunas de marcação da entrada
  • janelas de duas colunas com persianas
  • os tijolos aparentes são muito usados nas fachadas (na verdade são um revestimento)

Se eu estudei certo, esse estilo surgiu numa competição entre arquitetos de Chicago na tentativa de deixar a cidade menos branca.

A casa do filme não é em formato de caixa, mas segue o estilo. É uma casa real e o filme foi feito dentro dela – e não em cenário.

Eu gosto da maneira como esse estilo permite a mistura de elementos de decoração clássicos e modernos lado a lado.

A mistura de branco com tons médios de madeira é algo que faz o balanço ideal. O ambiente não fica nem muito carregado nem excessivamente sem cor. É a única situação em que eu amo branco!

Reparem como os puxadores dourados fazem referência à moldura dos quadros. Tudo tem ligação. Essa referência é importante pra unidade de um projeto.

Esse painel de madeira no fundo do armário eu questiono, mas eu só questiono porque eu não tenho empregada e eu penso que seria difícil manter algo com madeira e reentrâncias limpo na cozinha.

Abajour na cozinha é algo de Deus.

Assim como televisão na cozinha, que é algo que eu cultivo na minha vida desde os anos 80.

Eu, particularmente, gosto da ideia de cortinas que dêem privacidade. Que tu tenhas a possibilidade de fechar e as pessoas não enxerguem a tua casa, mas essas rendas brancas são lindas. Eu adicionaria uma persiana secundária ali. Mas claro, no caso dessa casa que fica no meio do mais absoluto nada, não é necessário.

É muita riqueza, né?

A próxima peça da casa que a gente vê nesse filme é o hall – muito rapidamente. Mesmo rápido, a gente observa que a escolha de tapetes foi o clássico, o que é mais um ponto na decoração perfeita pra mim!

Nada foge muito do branco/bege nas paredes, mas o piso escuro faz o contraste.

No lavabo, a gente encontra esse papel de parede lindo. Lindo. Lindo. E quadros na parede com a mesma moldura dourada (ó a unidade):

Desmaiei.

Continuando, a gente conhece o escritório:

Tá. O escritório é super masculino (até porque ele é pra ser o Sr.Haynes no filme) e eu acho um pouquinho escuro demais. Eu já falei aqui que eu tenho uma dificuldade extrema de criar ambientes masculinos porque eu sou uma pessoa extremamente rosa-pastel. Mas é um escritório sóbrio e que une vários elementos clássicos (no sentido de recorrentes) como a cadeira de couro e a paleta marrom-cinza-preto.

A moldura dos quadros continua dourada assim como na sala:

Eu esqueci de capturar uma imagem do quarto – porque honestamente não me chamou a atenção (é porque além de pobre eu sou exigente). Mas, pra nossa felicidade a casa foi posta à venda e assim, foram disponibilizadas imagens do interior real dela na internet:

Essas salas são chamadas de “solar rooms” (solários) e são salas com muitos vidros pra pessoa realmente ficar no sol… mas dentro de casa.

Não gostei do piso frio! Prefiro a casa no filme (como sempre). Mas tudo bem… eu até compraria ela do jeito que tá.

O comentário mais honesto que eu teria sobre essa casa é um suspiro.

Sou só eu?

Boa segunda-feira!

A casa Goonie

Essa cara GRITA anos 80!

Normalmente eu me apego às casas dos filmes e não exatamente à localização. Acontece que Astoria é diferente! Astoria é um lugar que eu acho lindo demais e esse post vai ser um pouco sobre o lado de fora da casa desse filme, pela primeira vez!

Começando com um print tosco do google maps pra ver se vocês reconhecem esse lugar:

Conhecem?

Tentem agora:

O endereço é 732 Duane Street em Astoria, Oregon – USA – pra aqueles que são como eu e vão PRECISAR “visitar” a cidade no google maps.

E, sim… estamos falando dos GOONIES!

E desse lugar:

Esse é exatamente o tipo de cidade pequena-o-suficiente que eu adoro! Ela é pequena, mas não falta nada! Tem até praia!

Por sinal, vocês conhecem essa praia?

É uma praia com dias excessivamente nublados (a região que mais chove nos USA) e que, em alguns anos,  descobriríamos que seria habitadas por lobisomens…

Sim, a praia dos goonies é a mesma praia de Twilight! Eu, que já amava Twilight de outros posts (ver aqui), adorei descobrir isso!

Eu acho legal também a maneira como eles aproveitaram os cenários da cidade e usaram prédios que ficam perto uns dos outros pra contar a história e não criaram uma coisa cenográfica, tanto que até hoje a cidade e os pontos turísticos do filme são muito visitados por turistas!

Todo dia 7 de Junho acontece o “Goonies day” (dia Goonie) em Astoria. As informações sobre o evento estão nessa página:  http://www.thegoondocks.org/plan-a-trip.html

Aqui, alguns dos locais que poderão ser visitados no Goonies day:

Cannon Beach:
487 S Hemlock St, Cannon Beach, Oregon 97145 USA

 

Lower Columbia Bowl:
826 Marine Dr, Astoria, Oregon 97103 USA

House:
370 38th St, Astoria, Oregon 97103 USA

Cadeia:
732 Duane St, Astoria, Oregon 97103 USA

Cruzamento:

Ruas 7th Street & Highway 30

O campo da escola foi modificado e não pode mais ser visto.

A casa diretamente à frente da Casa Goonie!

Flavel House Museum

441 8th Street

O único motivo (mais ou menos) pra eu não juntar todas as minhas forças, fazer as malas e ir morar por lá é a grande ameaça de um terremoto ameaçados que está por vir por aqueles lados. E eu sou medrosa pra caramba!

Mas reparem nesse quartinho dos anos 80 do Mike:

É uma bagunça cheia de memórias da infância! Até a revista “Mad” figurou!

Eu encontrei no ebay o lençol de super-man e o gremilin que a gente vê no quarto do Mikey também:

Gremilin: https://www.ebay.ca/itm/Vintage-Original-Gremlins-7-Gizmo-Poseable-Action-Figure-From-1984/182510609081?hash=item2a7e7ae2b9:g:zdYAAOSwol5Y3qGD

Lençol: https://www.ebay.com/itm/Vintage-1978-DC-Comics-Superman-Twin-Flat-Fitted-Bed-Sheets-Fabric-/253337784460

Não cheguei a querer comprar, mas adoro um original dos anos 80 perdido! No momento, as prioridades são outras!

A sala e a cozinha deles também são muito característicos da época! A minha avó tinha uma geladeira azul dessas brastemp arredondadas que até hoje eu sinto saudade!

Os discos de vinil são um charme na sala… apesar de que essa sala deles é bem bagunçada e só é legal porque é dos Goonies! Não é uma sala que me chame a atenção!

 

Meu amor mesmo, nesse filme, é a cidade! Acho que eu sofreria muito de amor à primeira vista se eu chegasse a visitá-la!

E pra quem visitou o blog, muito obrigada! Minha resolução pra 2018 e não passar mais de uma semana sem atualizar ele!

Feliz ano novo, povo!

goonieshd

A casa de Gatinhas e Gatões ( 16 Candles )

Existem alguns filmes que eu posso assistir 50 vezes sem cansar porque eles são leves e felizes. Não necessariamente engraçados, mas me fazem bem. É o tipo de filme que combina com um chocolate quente num sábado à noite. Sem pretenção nem lição. Só uma visita à adolescência.

Esses dias a gente assistiu aqui a “16 Candles” de novo! E, por mais que a casa não seja uma das minhas preferidas, eu adoro a “vibe” dos anos 80 e precisei focar em vários detalhes!

O primeiro deles, claro, é o papel de parede do corredor. O papel é rebuscado mas, ao contrário de quase tudo nos anos 80, ele não é excessivamente poluído com cores saturadas e complementares. É um papel que eu usaria nos dias de hoje sem problemas.

Gosto da maneira como as cortinas se sobrepõe ao papel sem carregar o ambiente – que já é rebuscado pelas estampas. O único problema com essa cortina é que, se ela for usada sem uma cortina auxiliar tu vais criar uma vitrine da tua casa da rua (como eu vejo muitas aqui)!

O espelho e a porta, pra mim, são atemporais (ok, mais a porta que o espelho) e eu acho que essa casa só parece ser dos anos 80 quando, na próxima tomada a gente enxerga os azulejos pequenos e cor-de-rosa do banheiro! Pra mim, é tudo super contemporâneo (mas pode ser porque eu vivo em negação do contemporâneo)!

Olha que bonitinhos os azulejos ali… e SIM, as casas são construídas pra suportar papel de parede no banheiro. No Brasil, nem na sala eu conseguia segurar a umidade!

Agora, nada nessa casa BERRA mais “anos 80” na tua tela do que o quarto da Samantha. Eu adoro ficar procurando os detalhes na bagunça!

Falando em procurar detalhes, eu não lembrava de alguns rostos famosos que a gente vê nesse filme, como a Joan Cusack!

Minha segunda peça preferida, depois do quarto da Sam, é o quarto da irmã dela, a Ginny. Preciso mencionar o papel de parede clássico de flor com cara de casa de vó como motivo principal de eu gostar do quarto? As duas irmãs têm uma certa tendência a manter os quartos bagunçados, notem:

Por mais que eu seja fã dos anos 80 e de papéis de parede… esse da cozinha é o meu limite. Eu realmente não conseguiria conviver com ele! Já a TV pequenina de tudo eu acho um charme (agora, né? na época eu achava uó)!

Nessas cenas a gente vê um pedaço da sala com aquela estampa que foi tão famosa que o pessoal fazia roupa, cortina, cadeira de praia… TUDO com ela. Eu acho que a minha mãe tinha lençóis com alguma variação desse estampado de folhas verdes!

E aqui, a vista de fora da casa:

Vida longa aos anos 80!

A casa de Esqueceram de mim ( Home Alone )

Eu jamais saberia por onde começar a falar sobre essa casa, esse filme e o impacto que eles tiveram sobre o meu sonho de infância de morar em um lugar onde o Natal tivesse essa cara.

Eu sou completamente apaixonada, não pela casa milionária, mas pela sensação que é transmitida enquanto eu assisto esqueceram de mim. Ver a neve cair no Natal e reunir a família ao redor das luzes que piscam, pra mim é a mágica da vida real.

E agora, finalmente, é Natal! E Natal pede o Kevin (Macaulay Culkin) -desde 1990!

Pesquisando a capa, eu achei interessante ver que o título do filme em francês é “Mamãe, eu perdi o avião” – o que funciona para os dois filmes bem certinho!

Mas o meu foco aqui é a casa, sempre! A casa de “Esqueceram de mim” (título original: “Home Alone”) é a minha preferida da história do cinema! E tantas coisas já foram ditas, escritas e exploradas nesses 27 anos desde o lançamento do filme, em 1990, que eu demorei muito tempo pra conseguir abordar essa casa da maneira que fosse interessante pra mim!

Por isso, pra esse post – que eu passei uns 3 anos ensaiando – eu fiz coisas especiais e eu acredito que eu vá dividí-lo em 2 partes. Talvez em 10!

A primeira coisa que eu fiz, foi desenhar a fachada! Poder clicar na foto pra baixar a versão ampliada!

Pra quem se interessa pelo processo e quiser pintar sua própria fachada, pode baixar o PDF aqui!

Eu estava bem contente com a minha casinha, até descobrir que existem profissionais de verdade que tinham feito um poster muito legal e o meu desenho passou a ser uma grande cacaca. Observem:

Essa é a diferença entre ser pago pra passar o dia inteiro fazendo algo e desenhar em vários intervalos de 10 minutos, sentada no banheiro, enquanto tu espera as tuas filhas de 3 anos fazerem o que elas têm que fazer depois de ter trabalhado 8 horas!

Informação demais?

Bom, mas o importante é que eu não desanimei e eu gostei bastante da minha versão também! Apesar da pobreza de detalhes! =/

Então… eu não teria conseguido desenhar a fachada se eu não tivesse desenhado as plantas, né? No post seguinte, essa planta vai ser repetida, mas com mais informações!

Aqui, a versão “limpa” da planta-baixa. E, sim! A fachada encaixa perfeitamente na planta.

Dá pra ver que o Kevin acertou bem quando ele desenhou a plantinha no filme!

Como é um filme de Natal, TU-DO nele é verde e vermelho ao extremo! Incluindo a roupa dos figurantes, os pacotes que as pessoas carregam, realmente TUDO – começando pela fachada de tijolos avermelhados com esquadrias verde-escuras e brancas!

Reparem que como há muitas janelas, a unidade das cortinas se torna muito importante. Imagina que carnaval seria olhar pra cada uma dessas janelas e encontrar cores e estampas diferentes! Isso acontece muito nas casas que eu observo andando pela rua. Funciona do lado de dentro, mas o efeito visual externo não é dos melhores!

As paredes da casa trazem um verde um pouco saturado com tapetes vermelhos escuros e lisos no corredor.

As flores também acentuam a combinação Natalina!

Foto 1: O corredor.

Foto 2: A escada para o sótão. 

Foto 3: O banheiro de cima.

Eu falei que a casa era muito verde e vemelha, já?

Foto 4: O mezanino principal

Foto 5: O corredor principal

Foto 6 – O hall

Foto 7 : A escada – A gente enxerga outras cores, mas reparem como até a roupa dos personagens e a mala estão sempre em tons de verde + vermelho + neutro. O quadro na parede consegue ter a moldura e a arte com essas cores também! É um trabalho extremamente minucioso!

Foto 8: A sala do piano

Foto 9: A sala de estar

Foto 10:  A sala de jantar

OLHA!!! Um papel de parede! Esse, com certeza eu usaria de verdade na minha!

Foto 11: A vista da sala de estar para a sala de jantar

Foto 12: O porão

Fotos 13 a 17 – A cozinha:

Fotos 18 a 23 – O quarto principal: Reparem que como o papel de parede e as cortinas são MUITO estampados e os móveis muito rebuscados, eles optaram por manter as roupas de cama e tapetes lisos pra equilibrar um pouco. Mas sim, claramente continua exagerado – o que funcionou perfeitamente pro filme.

Fotos 24 e 25 – O quarto do Buzz:

 

Foto 26 – O sótão: 

 

Foto 27 – A vista para o Hall

Fotos 28 e 29 – Close dos tapetes e papel de parede na sala de estar

 

A localização exata da casa (que foi apagada do google maps provavelmente pra manter a privacidade) é essa aqui:

https://www.google.com/maps/place/671+Lincoln+Ave,+Winnetka,+IL+60093,+USA/@42.1096617,-87.7346673,282m/data=!3m1!1e3!4m5!3m4!1s0x880fc4f69986bd23:0x4de87dfec1eff90a!8m2!3d42.1097278!4d-87.7336614

Até as casas da volta ficam difíceis de reconhecer devido à censura do Google!

Eu entendo perfeitamente que a casa seja uma propriedade privada… mas quem compra a casa de “Esqueceram de mim” – que foi vendida há pouco tempo – já deveria mais ou menos calcular que o turismo existiria, né?

Assim que eu ganhar na loteria, compro essa casa, deixo ela inteira igual ao filme e abro pra exposição, tá?

Mentira. Vou precisar morar nela quando eu comprar….

Esse post continuará na Parte 2.

FINALMENTE É NATAL!

Beijos, beijos!

Preguiça e a casa do Ursinho Pooh

Amanhã é feriado aqui e hoje choveu o dia inteiro! Na minha cabeça, eu ía passar esses 3 dias na frente da televisão, estudando francês e atualizando o blog!

Esse sonho durou mais ou menos o tempo de tirar essa foto e eu já fui arrumar a casa…

Então eu notei que essa foto era a cara dos desejos mais profundos da minha alma!

Sendo o ser eternamente cansado que eu sou -e ao mesmo tempo apaixonada por decoração e desenhos de todos os tipos- eu me peguei reparando nos elementos que tornam as cenas da vida aconchegantes pra mim. Entre eles:

  • As cores em pastel – cores saturadas quebram o clima!
  • Os tecidos em xadrez, de preferência não-lisos (Gente, eu não sei nome de tecido. Minha mãe sabe TODOS! Vocês entendem o que eu quero dizer por não-lisos? Tecidos quentes! Fez sentido?)
  • A madeira;
  • A meia-luz;
  • As roupas-que-não-me-apertam ;
  • Poluição visual na medida certa.
  • A chuva lá fora (eu amo chuva um pouco demais)!

Já que a minha casa não tá nem um pouco perto de estar devidamente decorada, deixa eu explicar com imagens da internet:

Xadrez, madeira e meia-luz para conforto:

A poluição visual na medida certa é o motivo pelo qual a primeira cozinha faz eu me sentir legalzinha-até e a segunda faz eu me sentir em casa. Observa:

Agora, a terceira já faz eu me sentir na casa da minha mãe:

Eu luto bastante pra não causar essa poluição na minha cozinha, mas infelizmente TODAS AS CANECAS DO MUNDO e TODOS OS POTES DE BISCOITO DO MUNDO me chamam a atenção… e eu acabo caindo na minha própria armadilha!

O que fazer nessa hora? Bom, ao menos tentar coordenar um pouco as cores! Se além de poluído estiver colorido (descoordenadamente) é um caso perdido mesmo!

Nesse clima de preguiça e conforto, eu acabei chegando à conclusão de que eu seria bem feliz na casa do ursinho pooh!

Como o meu cérebro pulou do xadrez pro pooh? Ah, isso já é um mistério!

Olha como a disney é boa de meia-luz, madeira e conforto:

Tá com sono, já?

Eu, sim! O desenho inteiro do pooh me dá preguiça… eu adoro a combinação de cores e os traços que realmente parecem feitos à mão:

Mas nenhum desenho no mundo me dá tanto, tanto, tanto sono quanto aqueles em que o Donald não consegue dormir:

Cansada, eu? Nesse momento? Imagina! Cheguei ao cúmulo de fazer um post inteiro dedicado ao sono…

Mas olha pela minha janela e vê se essa chuva e esse tom azul maravilhoso do céu não são um convite à preguiça?

Enquanto a chuva caía, a gente brincava com o trem no quarto (durou uns 10 minutos, claro…)

Acho que essa preguiça toda que eu tô sentindo é a minha forma de homenagear a Gab que vai ser mãe em alguns dias (ou horas!) e eu tô aproveitando pra lembrar o quanto é BOM ter crianças que dormem a noite toda e poder voltar a curtir o barulho da chuva!

Gab, uma boa “hora” pra ti e pra Lara e quando a falta de sono estiver fazendo tu teres vontade de abrir a cabeça do Flávio e comer o cérebro dele lentamente com uma colher… lembra que daqui a pouco vocês vão estar brincando de trem num dia de chuva!

Beijos nossos pra vocês!

Durmam bem todas as mamães, papais e seus bebês!

Uma noite de Aventuras

Eu lembro vagamente dos anos 80 (nasci em 1982) e eu acredito que grande parte da minha memória dessa época tenha sido criada, na verdade, na década de 90, assistindo a sessão da tarde!

Sabe, crianças… acontece que, naquela época, quando um filme era lançado nos USA, demorava UM CERTO TEMPINHO pra ele chegar nas locadoras e mais ainda pra chegar na TV! E , quando chegava, era repetido 1498597 vezes ( o que não era um problema… porque eram ótimos! )

Inclusive, até hoje eu tenho um carinho tão grande pelas comédias dos anos 80, que eu procuro colecioná-las!

Hoje eu vou enfatizar um pequeno quarto de um filme que sempre coloca um sorriso no meu rosto: “Uma noite de Aventuras” ou “Adventures in babysitting” de 1987!

Por sinal, esse filme foi dirigido pelo Chris Columbus, que é um gênio e, no futuro, participaria de uma série dos meus filmes preferidos como “Esqueceram de mim”, “Harry Potter” e até “The help” e “Tallulah”! (Avisei que ele era genial!)

Pra quem ainda não lembrou de qual filme eu estou falando, é esse aqui:

Lembrou agora?

Pois então! No início do filme, a Chris aparece dançando no quarto dela e esse quarto sozinho é a minha peça preferida!

Acontece que eu sou a-loka do papel de parede como eu já contei nesse post aqui! E esse do filme é o meu estilo preferido!

Tentei pegar ele mais de perto e podemos perceber que ele tem muitas cores:

 

Sim, ele é cheio de informação e provavelmente cansativo, por isso, cuidado! Tem que gostar muito! Valendo lembrar que – principalmente no Brasil com a umidade – a vida útil de um papel de parede é de mais ou menos 7 anos!

As imagens mostram que há uma hamornia (que deve haver sempre!) entre todos os papéis de parede da casa. Por mais que ele tenha muita informação, a paleta de cores foi seguida até com a troca de padrão do papel como a gente nota no corredor:

 

Os posters colados na parede nem precisaram de moldura:

  1. Por ser um quarto de adolescente
  2. Novamente, pelo número de informações que o papel de parede tráz.

Sim, é um quarto feminino ao extremo. Mas adivinhem? Eu sou mulher e eu gosto de cor-de-rosa. Meu marido parece não ligar muito pra nossa colcha cor-de-rosa…

Falando em colchas bonitas, eu gostei dessas, mãe:

Desculpem o apelo, mas funcionou. Minha mãe me deu a colcha! Agora posso prosseguir:

Reparem que mesmo sendo um filme de 1987, o quarto clássico – tirando os acessórios na penteadeira – ainda tráz muitos elementos que são usados nos dias de hoje. Esse estilo provençal é realmente atemporal!

Reparem também que a cortina, a cúpula do abajour e a colcha são todos lisos pra não sobrecarregar com estampados:

 

Eu teria arrematado esse teto com gesso… mas isso é um problema meu!

E, bem quando eu achei que eu só veria um lado desse quarto lindo, eles me presentearam com essa cena:

 

O papel de parede é tão marcante que ele faz com que as roupas coloridas não quebrem o padrão de cores da peça. Em alguns filmes – e principalmente nas revistas de decoração – as pessoas  “forçam” muito uma combinação de cores usando roupas da mesma paleta dos móveis. Assim:

Aí a gente tenta arrumar o armário e NUNCA vai ficar assim… porque as nossas roupas têm mais de uma cor, né? Por isso (mais uma vez eu digo) que eu prefiro os filmes e seus guarda-roupas mais próximos do real:

 

Que quartinho bem lindo! E, pra quem é fã dos filmes dos anos 80 como eu, eu descobri dois sites muito legais enquanto pesquisava:

https://meuqiabaixodezero.blogspot.ca/2015/04/filme-do-dia-adventures-in-babysitting.html – em português

http://torontoist.com/2016/10/where-adventures-in-babysitting-was-filmed-in-toronto/ – em inglês

 

E, pra quem quer um papel de parede florido, a minha coleção preferida chama-se ” Abbey Rose” ! Aqui, alguns exemplos dela:

  

Meus preferidos:

Eu avisei que eu gostava MUITO de papel de parede!

Até a próxima casa!